Página inicial

Notícia > Brasil

  • 05.11.2014 - 05:15

    Aécio volta a ativa e avisa: "se quiserem dialogar, apresentem propostas"

    Aumentar fonte Aumentar fonte Diminuir fonte Diminuir fonte

     Brasília - Na tentativa de se posicionar como líder da oposição, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou nesta terça-feira, 1, ao chegar no Congresso Nacional, que vai "ser a oposição sem adjetivos". "Eu chego hoje ao Congresso Nacional para exercer o papel que me foi delegado por grande maioria da população brasileira, por 51 milhões de brasileiros. Se quiserem dialogar, apresentem propostas que interessem aos brasileiros. No mais, vamos cobrar explicações e eficiência".

    Na rápida entrevista que deu no corredor de acesso ao plenário da Casa,Aécio Neves criticou a forma como o governo Dilma atuou durante acampanha eleitoral. Segundo ele, os ataques do PT inviabilizam umdiálogo produtivo entre a base aliada e a oposição.

    "Esse governo, pela forma como agiu na campanha eleitoral, de uma forma absolutamente desrespeitosa e absolutamente temerária em relação aos beneficiários de programas sociais, que estiveram permanentemente ameaçados de perder os benefícios se nós vencêssemos as eleições, não os legitimam para uma proposta de diálogo sem que o conteúdo das propostas seja conhecido", disseo senador.

    Por diversas vezes, o tucano aproveitou para cutucar a petista: "A presidente Dilma deve tomar muito cuidado, senão seu governo chega no dia primeiro de janeiro com cheiro de fim de festa".

    Democracia. Presidente nacional do PSDB, o senador mencionou as manifestações pós-eleições de eleitores frustrados com o resultado das eleições e sobre pedidos de impeachment da presidente Dilma Rousseff e intervenção militar. "Eu respeito a democracia permanentemente e qualquer utilização dessas manifestações no sentido de qualquer tipo de retrocesso terá a nossa mais veemente oposição. Eu fui o candidato das liberdades, da democracia, do respeito. Aqueles que agem de forma autoritária e truculenta estão no outro campo político, não estão no nosso campo político."

    Derrotado na eleição presidencial de outubro, o tucano voltou ao Senado na tarde desta terça-feira, 1, acompanhado por cerca de 600 militantes. Logo na entrada, Aécio afirmou que a derrota para a presidente Dilma Rousseff fortalece na oposição e se declarou "revigorado" com o retorno após uma semana de folga: "O governo da presidente Dilma venceu as eleições perdendo e eu a Marina Silva (PSB) perdemos vencendo".

    Economia. Aécio sinalizou que uma das bandeiras que pretende carregar na volta ao Senado passa pela "transparência na economia", o combate à corrupção e a cobrança de melhoria dos indicadores sociais. "Seremos intérpretes da pauta da sociedade brasileira. O Brasil discutiu uma agenda, que passa pela transparência na economia, a melhoria dos nossos indicadores sociais, por uma investigação profunda e dura de todas as denúncias que aí estão a pulular todos os dias. Essa é a agenda da sociedade brasileira, nós vamos estar prontos para defendê-la", destacou.

    Ao final da entrevista, o tucano disse que não faria um pronunciamento na tribuna do Senado nesta terça. Ele subiu para seu gabinete, que fica no Anexo I da Casa.