Página inicial

Notícia > Policial

  • 18.05.2020 - 11:57

    Suspeito de matar modelo diz que agiu por ciúmes

    Aumentar fonte Aumentar fonte Diminuir fonte Diminuir fonte

    Rafael Fernandes, suspeito de matar a modelo e Miss Manicoré, Kimberly Mota, foi encaminhado para um presídio em Manaus na tarde deste domingo (17). Rafael foi encontrado em uma área de mata em Pacaraima e preso na sexta-feira (15). Ele chegou descalço e usando máscara de proteção à delegacia de homicídios e sequestros, zona leste de Manaus, no Amazonas. Segundo a polícia, ele confessou o crime.

    Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

    De acordo com as autoridades, Rafael alegou ter matado a namorada por ciúmes depois de ver mensagens no celular dela. Kimberly foi atingida por pelo menos três golpes de faca. Ainda segundo a polícia, o suspeito pegou uma faca e esperou a vítima deitar para dar o primeiro golpe.

    Rafael está no CRT (Central de Recebimento e Triagem), e ficará em quarentena. Todo preso que entra no sistema fica um período isolado por conta da pandemia do novo coronavírus. Ele será encaminhado a uma unidade prisional após este período. 

    Ainda de acordo com a polícia, Rafael tentou tirar o corpo da modelo do apartamento e quando percebeu que não conseguiria, ligou para seu pai dizendo o que tinha acontecido. O pai o aconselhou a se entregar, mas Rafael resolveu fugir.

    Na quinta-feira (14), após saber da repercussão do caso, o pai de Rafael cometeu suicídio na grande São Paulo. Segundo o delegado do caso, Paulo Martins, Rafael só soube da morte do pai após sua prisão. 

    Um boletim epidemiológico de controle do novo coronavírus mostra que o suspeito passou pela BR-174, com destino a Roraima. Desde então, a polícia buscava pelo carro dele, que foi encontrado capotado na tarde do dia 13 de maio, a 30 km do município de Caracaraí, em Roraima.

    De acordo com a polícia de Caracaraí, Rafael pegou um táxi até Boa vista, parou para sacar dinheito e seguiu para Pacaraima, cidade perto de Santa Helena de Uiaren, fronteira entre Brasil e Venezuela. O analista jurídico tentou entrar no país vizinho pelo menos duas vezes e foi em uma dessas tentativas que foi reconhecido e denunciado à polícia.

    "Eu tenho pena dele. Que Deus tenha compaixão dele. O que ele fez para a minha filha não vai mais trazer ela. Rezei por ele e pela família dele. Não tenho raiva, nem ódio. Ele acabou com a minha vida, da minha família, e está acabando com a dele. E duas famílias sofrendo.", afirma a mãe de Kimberly.

    "Eu quero que ele pague. Ele tirou uma vida de brilho, luz, felicidade. Só vou me inspirar na minha filha. Muito batalhadora. Queria muito seguir a vida de modelo e acabar a faculdade. Eu peço Justiça", termina. 

    Fonte: https://noticias.r7.com