Página inicial

Notícia > Esportes

  • 30.09.2019 - 05:25

    Presidente do Palmeiras se diz injustiçado e indica favorecimento ao Fla

    Aumentar fonte Aumentar fonte Diminuir fonte Diminuir fonte

    Insatisfeito com a arbitragem do empate entre Palmeiras e Internacional, Maurício Galiotte concedeu entrevista no Estádio Beira-Rio na tarde deste domingo. Em tom incisivo, o presidente do time alviverde reclamou do VAR e indicou favorecimento ao Flamengo, principal concorrente pela liderança do Campeonato Brasileiro.

    “Muitos lances o VAR não tem atuado em jogos do Flamengo. Isso é fato. Ontem, foi um exemplo”, disse Galiotte em alusão a pisão de Gabriel sobre o são-paulino Daniel Alves. “O pênalti no Guerrero, contra o Inter, no Maracanã, é outro exemplo. Não queremos isso. Queremos um futebol sério. Que marquem igual para todos”, afirmou.

    Aos 40 minutos do segundo tempo contra o Internacional, Bruno Henrique recebeu de Lucas Lima e mandou para as redes. Após rever o lance pelo monitor do VAR, no entanto, o árbitro Braulio Machado marcou toque de Willian na origem da jogada, em que o atacante palmeirense disputa a bola com Klaus.

    “O Felipe Melo toma cartão em absolutamente todas as jogadas. Ontem, o Gabriel pisou num atleta e o VAR acho que estava desligado no lance, porque não foi pedido. Hoje, a bola bateu na mão do Willian? Parece que bateu, numa falta que ele recebeu. E cadê a falta? Fomos prejudicados num lance faltoso contra o Palmeiras”, reclamou Galiotte.

    O mandatário adiantou que o Palmeiras planeja manifestar oficialmente à CBF sua insatisfação em relação ao ocorrido no jogo contra o Internacional. Em sua breve entrevista, ele ainda disse considerar que os times não vêm sendo tratados de maneira igualitária.

    “Para alguns clubes, o VAR trabalha. Para outros, não. Acho que cabe uma reciclagem, cabe uma revisão de conceito. Todos merecem ser tratados da mesma maneira. O Palmeiras não quer absolutamente nada. Nós só queremos que seja justo. Absolutamente, não pedimos nada. Apenas justiça”, afirmou.(Gazeta Esportiva)