Página inicial

Notícia > Política

  • 30.07.2020 - 11:04

    OPERAÇÃO CALVÁRIO: Ricardo se faz de coitadinho e acusa MP de armação orquestrada

    Aumentar fonte Aumentar fonte Diminuir fonte Diminuir fonte

    Será que realmente o ex-governador Ricardo Coutinho acredita de verdade no que ele fala?

    Pior, será que ele pensa que vai conseguir enganar mais alguém com esse discurso de coitadinho, de perseguido, de vítima de uma ação difamatória orquestrada pelo presidente Jair Bolsonaro - que só deve ter tomado conhecimento da sua existência após a Operação Calvário, que tornou-se um escândalo nacional?

    Definitivamente, o homem que bradava aos quatro cantos que utilizava o dinheiro numa mão e o chicote em outra para controlar com ‘harmonia’ os demais poderes do estado (leia-se Legislativo, Judiciário (TRE e TJ), além do Tribunal de Contas, está delirando ou não enxergando que entrou na fase de desintegração moral, política e social por conta de seus atos delitivos contra os cofres do estado.

    Custa acreditar que até seus próprios parceiros de bando advoguem em seu favor na produção de uma estória hilária contada em uma live no perfil do site parlamentop classificando as ações da Operação Calvário como uma armação do Ministério Público com o propósito de aniquilar sua trajetória política, tal qual fizeram com a ex-presidente das pedalas fiscais, Dilma Rousseff. A criatividade do MP, conforme explanação do ex-governador, chega ao ‘cúmulo’ de produzir provas de áudio e vídeo, “como uma coisa de profissional”.

    O portal Jampanews, do jornalista Lelo Cavalcante, expõe com exatidão qual o verdadeiro objetivo do ex-governador Ricardo Coutinho e sua tropa ao ocupar os poucos espaços que ainda lhe resta na mídia paraibana para desmoralizar instituições sérias e desmerecer o trabalho investigativo e incansável dos órgãos que dão suporte às ações de combate à corrupção na Paraíba. Confira:

    Ricardo desacata o MP em live e diz que Operação Calvário é o pior momento da história da instituição

     

    “Se havia alguma dúvida sobre a estratégia montada pelo PSB para desconstruir as investigações realizadas pelo Ministério Público que resultou no desbaratamento de uma quadrilha especializada em assaltar os cofres públicos, além da prisão de seus principais integrantes, as últimas declarações do ex-governador Ricardo Coutinho e da ainda prefeita Márcia Lucena mostram que eles estão bem articulados no esforço para desvirtuar as investigação e desmoralizar a instituição.

    Além de misturar as personagens e minimizar as revelações contidas na delação de Daniel Gomes apresentando-se como uma das vítimas de tremenda armação montada pelas elites brasileiras, Ricardo afirma que a Operação Calvário vai manchar a trajetória do Ministério Público “por não ensejar provas nos autos”, E arremata: “Essa operação ficará marcada na história da Paraíba como um dos piores momento da história Ministério Público. O Gaeco não tinha o direito de difamar, de fazer o que fez em 2019 e 2020”.

    Ele coloca a Operação calvário no mesmo nível da Lava-Jato cujo objetivo teria sido de impedir a candidatura de Lula e com fingida modéstia se coloca no patamar das grandes lideranças do país, fustigadas e perseguidas.

    A live de Ricardo em um dos espaços mais prestigiados da imprensa paraibana mostra a força do esquema socialista e o quanto ele pode influir nas eleições municipais que se avizinham contando histórias da carochinha com o único intuito de desmoralizar as instituições judicias bastante desmoralizadas desde que permitiram sua liberdade e espaços para se mobilizar e atacar detratando pessoas e órgãos.

    Recentemente foi a vez a da prefeita de Conde, Márcia Lucena, ocupar espaços na imprensa para entoar a mesma ladainha da perseguição política sem, contudo, refutar as graves acusações contidas nas gravações que o Gaeco divulgou e acostou ao processo.

    Aos poucos a quadrilha desbaratada vai ganhado espaço e engrossando o discurso de desacato e confrontação ao MP, já que as tornozeleiras estão se mostrando ineficientes para conter esses personagens macabros que pretendem desvirtuar a verdade insistindo na mentira naquela velha técnica nazista de repeti-la a exaustão.

    Aos poucos a mentira vai ganhando consistência e o discurso da perseguição encorpando ganhando musculatura numa velocidade que coloca em risco a integridade moral das instituições.

    Para se comprovar isso é só acompanha a live onde Ricardo destilou todo veneno que sua língua de víbora pode inocular no organismo social gangrenando os tecidos mais expostos.

    Mas não é a ousadia e a insolência do ex-governador que causa espanto. O que causa espanto e estarrecimento seria a passividade do Ministério Público e da própria Justiça na pessoa do desembargador Ricardo Vital diante de tanto atrevimento e privilégio concedido a elementos cuja participação criminosa foi exaustivamente provada pelas investigações:

    Leia abaixo o que produziu a insanidade política de Ricardo:

    Em uma live entrevista contundente no perfil do ParlamentoPB no Instagram na noite desta quarta-feira, 29, o ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) avaliou as acusações que lhe têm sido feitas no âmbito da Operação Calvário e considerou que ela manchará a trajetória do Ministério Público na Paraíba por não ensejar provas nos autos: “Essa operação ficará marcada na história da Paraíba como um dos piores momento da história Ministério Público. O Gaeco não tinha o direito de difamar, de fazer o que fez em 2019 e 2020. Outra certeza que eu tenho é que as elites que agiram para derrubar uma presidente [Dilma Rousseff] consideram que eu sou alguém muito importante que deve ser aniquilado. Essa operação não veio daqui. Foi lá de cima. Todo o preparo que o Daniel fez, induzindo, gravando o que quis e deixando de lado o que não convinha, foi coisa de profissional. Há um elo que a história haverá de contar como a Lava-Jato fez com o presidente Lula que foi tirado das eleições de 2018. Delação não é prova. Imagina: alguém preso só é ouvido se fizer delação e ela só fale se falar num nome específico. É uma delação induzida. Outras pessoas ficaram ilegalmente presas por muito tempo e nenhuma foi ouvida”.

    O ex-governador chamou os setores que se opõem a ele de “aliança do ódio” e nela incluiu a mídia da Paraíba. “A mídia tentou acabar comigo. Eu levei pancada o ano inteiro com mentiras seguidas. O esquema de preparo da Operação Calvário em 2019 foi o esquema de Bolsonaro na Paraíba para circulação de fake news. O esquema montado para as eleições de Bolsonaro foi mantido para me atacar. Boa parte das coisas saía do Ministério Público e vazava… e eram apenas ilações. Diziam que eu tinha imóveis no exterior e em outros Estados. Mentira! Foram canalhas mentirosos que plantaram isso em grupos de WhatsApp”.

    Ainda nesta quarta-feira, Ricardo Coutinho concedeu entrevistas para veículos de imprensa da Europa e tratou da “Lava-Jato” da Paraíba, como classificou a Operação Calvário. “Eu lembrei de acusações que me fizeram incluindo o desvio de R$ 1 bilhão. Cadê esse desvio? Era mentira como é também esse de R$ 134 milhões. Quiseram tirar a mim e ao meu projeto da política. O corte que a Operação Calvário fez foi algo ‘bandeiroso’. Prenderam Márcia Lucena por ter comprado remédios mais baratos no Lifesa. Prenderam Estela Bezerra, uma deputada, sem autorização da Assembleia. Até hoje, ninguém foi chamado para ser interrogado. Só querem prender”.

    Ameaças – O ex-governador acrescentou que três envolvidos na Calvário teriam tido suas famílias ameaçadas durante o período em que estiveram em prisão preventiva: “O Gaeco não chama ninguém para ser interrogado. Faz prisões preventivas e durante esse período ameaça familiares como foram os dos três que delataram. Principalmente as mães. Mas, isso a imprensa não dá”. Ao ser questionado sobre a quem teriam sido endereçadas essas ameaças, Ricardo citou Livânia Farias e Leandro Nunes. “No termo de acordo [de delação premiada] está lá dizendo que a família fica fora. Não tem como esconder isso. Todo mundo sabe”.

    Quanto às declarações de Livânia Farias sobre a entrega de “mangas de Sousa” e de Leandro Nunes a respeito de “uma caixa de vinhos”, ambas significando formas de entrega de “propina”, Ricardo disse que nunca recebeu vantagem indevida: “Não existe empresário que diga que eu recebi dinheiro. Meu patrimônio é condizente com minha vida. Disseram que eu sou dono da Troy. Eu sei lá o que danado é isso. Se eu sou dono, mostre as provas que não existem”.

    Gravações de Daniel – Em outro trecho da entrevista, Ricardo Coutinho falou das gravações feitas de conversas mantidas com Daniel Gomes, ex-diretor da Cruz Vermelha e delator da Calvário que entregou ao Ministério Público farto material contendo diálogos com o então governador da Paraíba: “Só passam uma parte. Não passa o anterior. Daniel é um sujeito inteligente e veio com uma sedução sobre um tal conselheiro que nunca me perguntaram quem era e nem vão perguntar em nível de Ministério Público e Daniel disse que estava sendo extorquido. Eu fui estimulando a conversa porque eu queria saber quem era. Era um conselheiro do Tribunal de Contas , na visão dele.

    Eu não tenho provas disso. Isso era para ter sido gravado e não foi. Ele falou sobre um rolo e começou uma sedução dizendo que teria que ter uma relação mais forte, uma sociedade, mas eu quando soube enterrei o negócio. Acabou. As outras, ele chega e oferece dinheiro para a campanha de João e eu disse para falar com outra pessoa. Ao que me conste, ele nunca falou. Eu nunca recebi dinheiro de ninguém”.

    Eleições 2020 – Outro tema abordado na entrevista foi a eleição municipal e Ricardo foi comedido. Disse que não chegou o tempo de dizer se é ou não candidato, mas garantiu que o PSB vai entrar na disputa. Mais do que isso, avaliou que o número de adversários, que hoje chega a 16, será reduzido assim, que os socialistas anunciarem quem vai concorrer à prefeitura: “O caminho do PSB vai definir isso. Tem gente aí que está aí pra fazer acordo e não para ser candidato. Vai haver uma diminuída, mas em função das decisões que o PSB tomar. Por outro lado, esse ataque moral estabelecido no nosso Estado perseguindo a mim e ao PSB fez com que muitas almas penadas do discurso fácil e violento, mas sem nenhum conteúdo, surgissem achando que uma histeria como a que levou Bolsonaro ao país vai se repetir, mas não vai”.”.

    Jampanews