Página inicial


  • O acordão de Raniery

    17/01/2017

     Saiu da mente lúcida do jovem deputado estadual Raniery Paulino a ideia de congregar as maiores forças político-partidária em 2018 num só palanque.

    Sugeriu ele, com o propósito de por um fim às divergências internas que começam a ganhar proporções incontroláveis na cúpula do PMDB, que o partido inicie o processo de entendimento com o governador Ricardo Coutinho (PSB) e o senador Cássio Cunha Lima (PSDB) em torno da candidatura do senador Raimundo Lira ao governo do Estado no pleito vindouro.

    Contemplaria o tucano e o socialista com as duas vagas no Senado e ainda deixaria a vaga de vice-governador em aberto para um possível entendimento com o PSD de Rômulo Gouveia e do prefeito da Capital, Luciano Cartaxo. Claro que é muito prematuro para celebrar uma aliança desse porte. De qualquer forma, não deixa de ser uma proposta louvável e inteligente do parlamentar.

    Se não conseguir unir outros partidos no projeto 2018, pelo menos já tem na figura do senador Lira a opção eleitoral para debelar a crise peemedebista. Ou pelo adiar por mais algum tempo.

     

    NOMES O PMDB TEM

    O ex-governador Roberto Paulino, que esta semana teve encontro com o senador Raimundo Lira, disse que o PMDB dispõe de bons nomes para apresentar ao eleitorado paraibano no pleito de 2018. Paulino citou, por exemplo, o senador José Maranhão e o deputado federal Veneziano Vital, como opções, mas vê na pessoa de Lira o nome mais agregador, conciliador, e que tem trânsito livre nas legendas hoje litigantes com o seu partido, como o PSB do governador Ricardo Coutinho.    

     

    AS QUEIXAS NO PMDB

    Divergências internas no PMDB sempre existiram e continuarão a existir se todos os dirigentes e comandantes da legenda continuarem fazendo do partido uma extensão da sua casa. Celebram alianças, sem consulta às bases partidárias, convocam filiados, simpatizantes, que se expõem durante a campanha, mas na hora de socializar os cargos os beneficiados são os familiares do comandante. Essa é, pelo menos, uma das queixas que Lira tem recebido e deve sugerir essa mudança de conduta pela cúpula partidária.


    Voltar